sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

PR de Mossoró reage à adesão do partido ao DEM


“Como eu vou mudar de discurso? Eu não sou moleque!” Essa a reação de chofre do vereador Genivan Vale (PR), em primeiro mandato na Câmara de Mossoró, à adesão do seu partido ao Governo Rosalba Ciarlini (DEM).
Depois dessa manifestação, Genivan lembra que há alguns meses o Diretório Municipal do PR deu autonomia ao núcleo mossoroense do partido, para tomar posição quanto à sucessão municipal. “Pessoalmente, eu acho que devemos continuar na oposição, como acontece há três anos e é com partidos de oposição que estamos conversando”, assinala.
Genivan: ser ou não ser oposição?
De antemão, o vereador diz não acreditar numa medida drástica para ‘enquadrar’ o PR de Mossoró. “Intervenção, jamais!”
Há três anos, ininterruptos, que Genivan tem uma postura oposicionista na Câmara de Mossoró, mas sem revelar – em seu primeiro mandato eletivo – nenhum traço de radicalismo incendiário. Mesmo assim, reitera que é extremamente incômodo para ele mudar o discurso, passando a ver o governo municipal do DEM sob outro ângulo diametralmente oposto.
Ontem pela manhã, Genivan recebeu ligação do deputado federal João Maia, presidente regional do PR.
Ele cientificou o vereador do fechamento de entendimento com o DEM, em meio à reunião com a  governadora Rosalba Ciarlini, ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado (DEM) e o senador José Agripino (DEM). “Mas eu já sabia há alguns dias do avanço dessa conversa”, conta.
Sobre o Governo Rosalba Ciarlini, Genivan não titubeia. Continua com a mesma avaliação, não obstante a mudança de rota do seu partido no plano estadual: “O governo está se desmanchando!”
Nota do Blog - O atual presidente do PR de Mossoró é o empresário Marcelo Rosado, que chegou a ser secretário de Desenvolvimento do Governo Wilma de Faria (PSB).
Há um compromisso de João Maia, no sentido de passar o comando do partido no município para o vereador Genivan Vale, o que tem endosso do próprio Marcelo.

Fonte: http://blogcarlossantos.com.br/

Nenhum comentário:

Mínino e máximo